A invejosa sou eu!

10 de agosto de 2017



Sabe quando você tá lá de boas na vida, ai se depara com aquela pessoa realizando tal coisa ou sendo tal coisa? E ai começa  a surgir aquele sentimento desagradável, e você o reconhece - ou finge não reconhecer- como a inveja? Então, não se preocupe, você não está sozinha, somos todos e todas invejosas!
Na nossa sociedade a inveja é tratada como algo pernicioso, ruim, vergonhoso. Algo que deve ser, assim que descoberto, abafado dentro do nosso íntimo, mesmo que a nossa cabeça insista em remoê-la. Desta forma, é muito difícil para nós mesmos admitirmos tal sentimento.  

Mas tenho uma boa notícia para você, temos a possibilidade de usar este sentimento ao nosso favor. Primeiro, precisamos conhecê-lo, entender do que se trata, desabafa-lo, compreender de onde vem para onde vai, o motivo de estar sentido. Ou seja, autoconhecimento. 

Pode ser dolorosa tal etapa, mas precisamos falar sobre a inveja, tentar reprimi-la, pode ter um efeito contrário, como se estivéssemos suprimindo um veneno que ao invés de nos impulsionar, fará com que sintamos raiva e/ ou angustia pelo que outro é ou tem. 

Sempre haverá alguém numa situação emocional ou financeira melhor que nós. sempre haverá aquele colega que ao completar 18 anos ganhou um carro dos pais, aquele que vive viajando o mundo, aquele que tem quase trinta anos e dinheiro não é nenhum problema, ele pode fazer quantas faculdades desejar, viajar e outras coisistas pela qual não precisa se preocupar com a situação financeira. Assim como pessoas com relacionamentos estáveis, empregos estáveis ou até mesmo pessoas que tenham filhos.

Qualquer que seja  o seu conceito de bem-sucedido na vida profissional e pessoal, sempre haverá pessoas em uma situação mais confortável que você. E isso não é motivo para se frustrar.


Então, o que fazer com a sua inveja?

  1. Aceite este sentimento, o estude, permita-se perguntar o motivo dela. Desabafe sobre ela, seja numa conversa com alguém de confiança, seja escrevendo ou em terapia, não guarde com você. Pesquise sobre a inveja, procure profissionais para te ajudar, não se sinta sozinho e envergonhado. 
  2. Não ofenda e/ou persiga a pessoa  ao qual você  tem inveja, é um circulo vicioso que vai consumir sua energia em função da vida do outro e a sua qualidade de vida poderá piorar ou continuar na estaca zero. Lembre-se, sempre haverá pessoas em uma situação mais confortável que você, lide com isso, não podemos ficar remoendo algo do tipo, porque é uma situação em que somos vitimas de Deus, do universo ou seja lá quem seja sua  divindade de referência. e você não precisa ser vitima, você tem potencial e sabe que as coisas não cairão do céu!
  3. A partir do auto-conhecimento, procure avaliar sua autoestima, o que você pode fazer para melhorá-la. A inveja vem para nos confrontar dizendo que alguém não vai bem seja em razão de amor próprio e/ou desconforto com os caminhos que a sua vida está traçando. Por isso, antes de correr atrás do que você deseja é preciso estar bem consigo mesmo. 
  4. E finalmente, use tudo que você descobriu através desse sentimento para alavancar sua vida. Seja para se aperfeiçoar profissionalmente, praticar atividade física e se alimentar melhor, melhorar suas relações sociais e afetivas ou rever seus conceitos de relacionamentos para descobrir o que pode realmente te fazer feliz. 

{Leitura} Eleanor & Park

7 de agosto de 2017


Sinopse: Eleanor &  Park é engraçado, triste, sarcástico, sincero e, acima de tudo, geek. Os personagens que dão título ao livro são dois jovens vizinhos de dezesseis anos. Park, descendente de coreanos e apaixonado por música e quadrinhos, não chega exatamente a ser popular, mas consegue não ser incomodado pelos colegas de escola. Eleanor, ruiva, sempre vestida com roupas estranhas e “grande” (ela pensa em si própria como gorda), é a filha mais velha de uma problemática família. Os dois se encontram no ônibus escolar todos os dias. Apesar de uma certa relutância no início, começam a conversar, enquanto dividem os quadrinhos de X-Men e Watchmen. E nem a tiração de sarro dos amigos e a desaprovação da família impede que Eleanor e Park se apaixonem, ao som de The Cure e Smiths. Esta é uma história sobre o primeiro amor, sobre como ele é invariavelmente intenso e quase sempre fadado a quebrar corações. Um amor que faz você se sentir desesperado e esperançoso ao mesmo tempo.


Resolvi ler este livro para conhecer a autora porque ela anda bem popular nos blogs e instagram literários. Além do mais, gostei da sinopse do livro. 

Realmente é um história bem bonitinha sobre um relacionamento adolescente, que se você for mais velha vai ficar lembrando dos seus namorinhos adolescentes e se você é adolescente vai querer uma relação com esse tipo de cumplicidade. Ambos, Eleanor e Park vão se aproximando pela música e pelos quadrinhos. O que é bacana, mas a amizade acaba fazendo florescer um amor que é correspondido.

Gente, sério, não existe coisa melhor do que tá num relacionamento em que não há o fator platônico no meio, o casal se gosta, não tem jogo de sedução, vai acontecendo naturalmente. Sério, tentem! Isso é bem a relação que os dois vão construindo e é bacana para as pessoas se inspirarem.

Entretanto, Eleanor é muito insegura, devido a ter autoestima baixa, sofrer bullying na escola de uma maneira cruel (na minha opinião qualquer forma de bullying é cruel),  possuir uma família desatenciosa e até violenta. E por conta dessa insegurança dela, há certas atitudes ou que você se identifica ou você quer dar uma sacudidela nela. 

O livro é narrado pelos próprios personagens, na alternância de capítulos, ora Park, ora Eleanor. O que é bem bacana, pois a narrativa flui bem rápido ( o que prende o leitor) e você acaba tendo o ponto de vista dos dois personagens. O que eu não gostei foi do final, vontade de pegar a autora e fazê-la reescrever. Rainbow, eles mereciam um final melhor querida, escreva um epílogo e lance na net, por favor! 

{Resenha} : Creme para as mãos - Luvas de silicone da avon

4 de agosto de 2017


Avon, resenha

Eu sou o tipo de pessoa que no auge dos seus 26 anos não consegue usar protetor solar. Mas em compensação, resolveu nessa tenra idade, usar cremes para as mãos.  Eu explico, eu não tiro as cutículas, em compensação, elas estão sempre descamando e para completar tenho a pele extremamente seca, e como eu sempre estou manuseando produtos de limpeza ou cabelo sem a devida proteção de luvas, resolvi ir atrás de um produto especifico para as mãos.  Comprei o luvas de silicone da Avon porque minha mãe usava dele, custou cerca de R$15,00 reais.  


Informações do fabricante: 

O Creme para as Mãos de Silicone Avon Care é ideal para peles secas e extrassecas. Ele forma uma camada invisível nas mãos, protegendo a pele do ressecamento causado pelo uso de detergente, sabão e outros agentes agressivos. A absorção é rápida e proporciona proteção e hidratação por 24 horas. Perfeito para levar com você onde for e usar o dia todo!

BENEFÍCIOS
• Ideal para peles secas e extrassecas.
• Forma camada invisível nas mãos.
• Protege do ressecamento.
• Absorção rápida.
• Hidratação de longa duração.

Modo de uso: Aplique sobre as mãos sempre que necessário e especialmente antes de realizar tarefas domésticas.

Composição AQUA; GLYCERYL STEARATE SE; CETYL ALCOHOL; DIMETHICONE; PARAFFINUM LIQUIDUM; ETHYLHEXYL METHOXYCINNAMATE; PHENOXYETHANOL; SODIUM LAURYL SULFATE; DISODIUM EDTA; METHYLPARABEN; PARFUM.

Contém 130g.



Rendimento e odor: O produto é de fácil absorção, não deixa as mãos pegajosas e rende bastante. Tem um cheiro agradável e suave. Na embalagem diz que possuí filtro solar, mas não indica o fator.

Como eu uso: Eu tinha o planejamento de usar três vezes ao dia, manhã, tarde e noite. Mas tenho conseguido usar de uma a duas vezes por dia, carrego o frasco  na bolsa e capricho bem na hora de passar nas cutículas.

Conclusão: Ao usar pela primeira vez, achei que minha pele ficaria imediatamente com uma aparência melhor, mas isso ocorreu a partir do terceiro dia de uso. Porém, desde a primeira aplicação eu já pude sentir mãos ficarem macias. Vale a pena o investimento no produto, por ser barato e ser bom. Agora é só eu me policiar para tentar usar certinho e antes de lavar a louça, pintar o cabelo...Para ter mãos protegidas.

Fotografia: Foto arco-íris no aplicativo Pixrl

2 de agosto de 2017



Para você que deseja aquele efeito arco-íris para suas fotos, isso é muito fácil de conseguir, através do aplicativo Pixrl. Para conseguir este efeito é muito fácil!


  1.  Primeiro você baixa o aplicativo no google play. 
  2. Depois procura overlay arco-íris no google, seleciona a imagem de arco-íris que mais te agrada, e dê print na imagem.


3.  Abra  o plicativo;
4. E faça upload da foto que você deseja.

   
4. Clique nas dois círculos, intitulado ferramentas;
5. Selecione exposição dupla;
6. Selecione sua overlay;
7. Nas opções escolha "Clarear " ou "Tele". Vá ajustando com os dedos o tamanho que você deseja aquela overlay, se necessário, há uma borracha no canto superior esquerdo que você pode usar para apagar partes indesejadas da sua overlay.
8. Eu fiz um efeito arco-íris bem suave do lado esquerdo da foto. 


Meu Look: Flowers in the black

31 de julho de 2017



Depois de alguns meses com o blog parado, estou animada para retornar. Entendo porque os meus blogs preferidos entram em hiatus, a falta de tempo ou vontade faz com que não tenhamos motivação para continuar.

No meu caso é a gravidez, desde que eu soube que estava grávida tive muito enjoos e sono, toda minha energia era concentrada no trabalho, tirando meu emocional que estava um caco. Mas nas últimas tenho me sentindo melhor, e com vontade de voltar por aqui. Apesar de praticamente tudo no meu guarda-roupa não me servir mais, tive que comprar roupas novas, principalmente vestidos.

 Então, serão estes vestidos que serão apresentados por aqui. Enquanto durar essa fase empolgada com o blog. 


Sapato: Vizzano
Vestido: Queen Taste
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...