Como fazer Washi Tape/Fita Adesiva Estampada

14 de setembro de 2014



O que é Washi Tape? é uma fita originada do Japão que é geralmente feita à mão a partir de fibras naturais, tais como casca, bambu, arroz, trigo e cânhamo. Normalmente ela é feita a partir da casca do arbusto de amora. Wa significa japonês e shi significa papel.

Eu encomendei algumas pelo Aliexpress, mas vai demorar uma vida para chegar, porém, enquanto não chegam essas aqui vão quebrando o galho. Se você tiver muita habilidade para cortar tipo fita mesmo, dá para usar papel contact. 


Como fazer Washi Tape:

  1.  Você vai precisar de fita dupla-face, tesoura e papel. Quanto menor a gramatura do papel (mais fino) mais parecido com a Washi Tape ele vai ficar. Papel seda, papel de carta ou qualquer outra papel que você encontrar serve, até os mais grossinhos se você não quiser/encontrar com menos gramatura. Você também pode usar aquelas fitas de tecido/plástico no lugar também, não serão washi tape, mas fica bem legal. Contudo não sei a durabilidade dela com tecido/plástico. 
  2. Eu usei papel para decoupage. Ele vem com duas peliculas, como na primeira imagem a direita e você tem que retirá-las antes. Na papelaria que eu vou, o guardanapo para decoupage é vendido a R$ 1,00. 
  3. Depois que "retirastes" as peliculas, cole a fita.
  4. Recorte as laterais do papel até ficar do tamanho da fita.
  5. Se preferir faça a "washi tape" longa e corte-a no meio.
  6. Depois é só sair colando! Viu  como ela ficou bem clara/transparente?
Ideias para usar Washi Tape:


{Encomendas na Pretices} Meus aventais!

12 de setembro de 2014


Eu estava louca por aventais do tipo "minha cara", então descobri que a Preta, aqui de Rondonópolis, faz aventais e encomendei dois, um de caveirinha e outro de cupcakes. Imagina minha cara de felicidade quando eles chegaram? Fiquei bastante feliz com o resultado!


Cada avental custou R$:22,00 reais e os panos de prato R$18,00 reais cada um. Como a Preta estudou comigo, a gente se conhece já tem quase seis anos, um pano de prato veio de brinde. Então, caso vocês tenham interesse em encomedar alguma coisa é só entrar em contato pela página do Facebook dela PRETICES e combinar tudo com ela. Não sei se ela faz trabalhos para lugares que não seja Rondonópolis, mas não custa entrar em contato e perguntar!

{Animação} A pequena loja de suicídios (2012)

11 de setembro de 2014




"O suicida na verdade não quer se matar mas quer matar a sua dor."
(Augusto Cury)
Sinopse:
Em uma cidade triste e depressiva, as pessoas não tem mais passatempos, e o comércio mais lucrativo é uma loja com produtos para suicídio. São cordas, venenos e outros instrumentos para ajudar cada cidadão a encurtar sua vida. O único problema é quando a proprietária da loja engravida e dá à luz a um filho alegre, repleto de vida.
Animação européia dirigida por Patrice Leconte.


A familia Tuvache é composta por um casal e seus três filhos, o caçula é Alain, é a  ovelha branca da família. Como o negócio da família é oferecer uma morte requintada eles esperam que os clientes nunca retornem, por isso o lema é "Morte ou reembolso". Com uma atmosfera cinzenta, humor negro, pessoas carrancudas e algumas  crianças querendo pessoas mais contentes com a vida. É neste clima que se passa a animação que no final traz uma lição de moral. Creio que é uma animação interessante e pode ter diversos olhares para um tema que é considerado um tabu. 
Com certeza você vai lembrar um pouco das animações de Tim Burton e a familía Addams. A fotografia é maravilhosa! 
Li muitas pessoas dizendo que é uma animação para adultos, creio então que você deverá assistir primeiro e ter sua opinião caso deseje compartilhar com crianças. 

O que eu gostei:
Uma coisa que me chamou a atenção é a morte usada como um negócio “Se sua vida foi um fracasso, pelo menos a morte será um sucesso”, fala a certa altura  Mishima, dono do estabelecimento. Como o sofrimento das pessoas é aproveitado não só no sentido capitalista, mas  também em como as relações humanas se tornaram frias.  Como a vida e a "morte" é rentável, a maioria de nós não mede esforços para buscar melhores médicos e remédios para que nós e as pessoas que amamos vivam mais. E nisso tudo, no nosso desespero e sofrimento, sempre aparece os que se aproveitam do que sentimos e do que temos,  não é diferente para quem busca a morte.
Outro ponto interessante é, pode soar contraditório com o que escrevi acima, mas até que ponto temos o direito de interferir na vida ou na morte do outro? Creio que algumas religiões (Não tenho conhecimento para dizer que todas são assim) consideram pecado, já a filosofia considera essa questão um direito da pessoa escolher. E vocês o que acham?
E por último, e não menos importante, eu notei que a loja recebe variados tipos de pessoas, diferentes classes sociais, ou seja, "vontade de morrer" não distingue uma classe da outra, a desesperança pode afetar qualquer um. 

O que eu não gostei:
Não sou muito fã de animações tipo musical e nesse tem bastante gente cantando, achei um pouco chato isso, apesar de que você tem que prestar atenção na letra das canções, pois elas complementam os diálogos da animação. E achei o final do filme um pouco bobo, esperava algo mais profundo e reflexivo. Mas não vou falar mais sobre isso, assista, não crie expectativas, o titulo é mais interessante que o final da obra.  

O dia em que eu me senti como o Superman

9 de setembro de 2014



Quando eu era adolescente acompanhava a liga da justiça e teve um episódio épico ( na minha humilde opinião), que foi a luta do Superman contra o Darkeseid.  E o superman disse a frase épica também, a frase que todo mundo já disse/pensou, mas não dessa maneira. Quando eu assisto esse episódio, eu sinto todo o cansaço do Superman de ter que se controlar, de ter que ficar aguentando as coisas e não poder extravasar.
Houve uma época que eu estava guardando muitas coisas na minha vida, até que chegou uma hora que a panela de pressão estourou, eu fiquei com tanta raiva que eu não pude me controlar, minhas mãos tremiam. Tentei ficar no controle e não adiantou, eu tava tipo o Superman, cansei de apanhar. Fui fazer exercícios, aliviou um pouco, mas  mesmo assim eu fui um pouco rude com pessoas que não tinham nada a ver com a minha raiva. Ataquei a causa da raiva, confesso que me senti um pouco melhor e um pouco de culpa pelos meus comportamentos.

Raiva é saudável até certo ponto, pois ela nos impulsiona a fazer algumas coisas, nos motivas, porque ela nos revolta, nos tira da zona de conforto e no obriga a fazer alguma coisa com a situação em que estamos. Portanto, todas as emoções são boas, mas devemos equilibras esse misto de emoções para que não façamos "burradas", por isso é importante autoconhecimento e e pensar que há três modos de resolver uma situação: A primeira é guardando para si a reclamação, desse modo nos reprimimos e isso pode causar doenças psicossomáticas (Doenças que tem um componente psíquico em sua origem), hipertensão, gastrite... A segunda maneira é explodindo/atacando alguém, causando mais raiva/deixando alguém constrangido e tornando você uma pessoa de difícil convivência. A terceira alternativa é optar pelo equilíbrio, resolver a situação de forma assertiva, demonstrando o que te desagradou de forma o mais amigável possível, para que não haja mais tensões e a situação possa ser resolvida de forma pacífica.

É sempre bom extravasarmos a raiva, mas é mais interessante fazermos isso sem precisar usar alguém como saco de pancadas. Acho que por isso que essa cena do Superman é tão prazerosa, pois ela mostra um desejo de extravasar uma raiva latente e se não canalizarmos ela de maneira correta, buscarmos resolver as situações de forma equilibrada ou procurando ajuda, pois cada um resolve suas dificuldades da melhor forma que lhe convier. Alguns escrevem, outros gritam, uma parcela faz algum tipo de esporte/luta, tem gente que assiste luta, tem gente que assiste Liga da Justiça e se sente compreendido e melhor. De qualquer forma não é bom guardar ou extravasar em demasiada a raiva, por isso busque um equilíbrio, busque saúde. 

Como fazer peito de frango no microondas

7 de setembro de 2014


Por ironia do destino me encontro sem panelas e uma delas é a bendita da panela de pressão, mas sabe o que é bom? Na dificuldade surge a oportunidade e elas vem pra facilitar, fazer o frango no microondas é muito mais prático e fácil! Além de economizar no sentido de ter uma panela a menos para lavar, você faz isso muito mais rápido, pois a gente usa frango desfiado para inúmeras coisas como: Recheio para sanduiches e tortas, strogonoffe, salpicão... 


Como fazer frango no microondas: 

1 - Coloque numa travessa própria para microondas o frango sem pele e sem osso, pode ser em pedaços grandes como eu fiz ou picado. Não esqueçam de descongelar o frango antes, caso ele esteja congelado.
2 - Importante: Se você for temperar o frango com os temperos a seu gosto, é necessário que o frango esteja bem picado, ou seja, cortado em cubos pequenos. E para não ter sujeira utilize uma tampa própria para microondas.
4- Coloque quatro colheres de água no frango.
3 -  Leve o frango para o microondas em potencia alta no tempo de 06 a 08 minutos. O tempo varia de microondas para microondas no meu foram 06 minutos, é importante que na metade do tempo, você desligue o microondas e vire o frango caso sejam pedaços grandes ou misturar caso o frango esteja picado. A metade do tempo é no terceiro (06) ou quarto minuto (08), mas lembre-se que cada microondas pode levar um tempo diferente.
4- Não precisa deixar a água secar, observe quando a carne estiver macia, tomando cuidado para que o frango não passe do ponto e acabe ficando ressecado.
5- Espere esfriar e desfie!
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...